Tudo sobre o Splitter HDMI (Multiplicador HDMI)

Tudo sobre o Splitter HDMI (Multiplicador HDMI)

O site TechTudo listou Os cinco melhores modelos vendidos no Brasil e 2 desses modelos são da COMTAC, conheça um pouco mais sobre esses Multiplicadores de Video HDMI.

O que é Splitter HDMI?

O Splitter HDMI é um dispositivo eletrônico específico e sua função principal é replicar o sinal de vídeo, que utiliza o protocolo de transmissão HDMI, para ser exibido em diversas telas simultaneamente.

É importante deixar claro que o Splitter tem apenas uma entrada de vídeo, ou seja, ele só pode receber uma fonte de vídeo (Blu-ray, DVD player, set-top boxes, etc) por vez, e possui duas ou mais saídas de vídeos. Caso ele possua 2 saídas, então o dispositivo é chamada de Splitter 1×2, se possuir 4, Splitter 1×4 e assim por diante.

Não confundir com o Switcher HDMI

Não confundir com o Switcher, ou seletor HDMI, cuja função é receber várias fontes de vídeos diferentes e jogar apenas em uma saída através de um botão seletor ou um controle remoto. Um Switcher com 4 entradas é chamada de Switcher 4×1.

Existe também as matrizes HDMI, que são dispositivos com ambas as funções do Splitter e Switcher. Ou seja, há mais de uma entrada e mais de uma saída. Uma matriz com duas entradas e quatro saídas, por exemplo, é chamado de Matriz HDMI 2×4.

Cuidado com os cabos divisores

Reparem que eu intencionalmente usei o termo replicar, e não dividir. Apesar da tradução da palavra splitter ser divisor, o que realmente um Splitter HDMI faz é replicar o sinal de vídeo, ou seja, ele entrega na saída exatamente o mesmo sinal de vídeo da entrada, com a mesma “força”, e não dividida.

Porém existe no mercado cabos HDMI com Splitters embutidos que fazem exatamente isto, dividem o sinal de vídeo utilizando apenas alguns poucos componentes eletrônicos passivos, como resistores, e não possuem um circuito integrado inteligente específico para replicar devidamente o protocolo HDMI.

cabo-splitter-passivo

O resultado são dispositivos extremamente baratos, e também muita dor de cabeça. Se quiser saber mais sobre isto é só ler este artigo. Neste post, quando falarmos em Splitter HDMI, estamos nos referindo exclusivamente a Divisores/Replicadores eletrônicos inteligentes.

Como funciona o Splitter HDMI?

Como já falamos, a única função deste dispositivo é replicar o sinal de vídeo da entrada e jogar nas saídas. Os vídeos das saídas são exatamente iguais e não podem ser controlados independentemente, portanto não é possível fazer um video wall utilizando Splitters, pois estes são capazes de “quebrar” o sinal de vídeo e exibir apenas uma parte da imagem.

É possível cascatear splitters, ou seja, conectar a saída de um splitter na entrada de outro splitter, porém há um limite prático no número de telas exibindo o mesmo vídeo simultaneamente. Este limite varia muito dependendo do modelo do splitter e também das telas, mas em geral podemos dizer que está entre 8 a 32 telas.

Este limite existe devido a comunicação que acontece entre as TVs, o Splitter e a fonte de vídeo. Esta comunicação acontece logo quando se conecta o cabo HDMI e é necessária para a TV passar as informações EDID para a fonte de vídeo.

Mais um detalhe: o splitter não tem capacidade de atrasar nem de adiantar o sinal de vídeo, assim, todas as suas saídas estão sincronizadas. No entanto, é possível que algum modelo de TV atrase a entrada de vídeo em poucos segundos, dessincronizando das demais saídas. Portanto, se o objetivo é ter várias TVs exibindo o mesmo vídeo sincronizado, sugerimos utilizar apenas um modelo de TV.

Sobre a alimentação do Splitter HDMI

Esta é uma questão que gera muita dúvida ao utilizar o Splitter HDMI, e é muito comum achar informações erradas na internet. Então vamos esclarecer este ponto:

Um dos 19 condutores do cabo HDMI é reservado para um sinal de +5V de alimentação que, em conjunto com o condutor ground, pode fornecer uma quantidade de energia para equipamentos receptores conectados a este cabo. Quem fornece esta energia é unicamente a fonte de vídeo, e não a TV.

O objetivo inicial desta característica era que a fonte de vídeo pudesse alimentar um pequeno circuito da TV para pegar as informações EDID, mesmo a TV estando desligada, para agilizar a conversação.

Segundo o protocolo HDMI, a fonte de vídeo deve ser capaz de fornecer pelo menos 50 miliamperes (mA) de corrente através deste condutor. Alguns fabricantes não limitam esta corrente, o que torna possível que a fonte forneça mais do que 50mA. Neste caso, o limite seria a espessura do condutor do cabo HDMI, e geralmente o máximo fica em torno de 250mA.

Os modelos mais simples de splitters, extensores e switchers utilizam em torno de 200mA a 300mA, o que torna possível utilizar apenas o cabo HDMI para alimentá-los, isto é conhecido como alimentação passiva.

Porém vamos deixar claro o seguinte: há fabricantes de fonte de vídeo que limitam a corrente fornecida pela saída HDMI em 50mA, e isto é perfeitamente legal segundo o protocolo HDMI. Nestes casos, a fonte não irá conseguir alimentar um extensor ou um splitter passivamente.

Há também os splitters maiores (1×4, 1×8…) que utilizam muito mais do que 200mA, e a alimentação passiva não é uma opção.

A minha sugestão é bem simples: sempre utilize alimentação ativa! Ou seja, a alimentação fornecida por uma fonte de energia externa. E minha sugestão se torna ainda mais verdadeira em uma aplicação profissional de digital signage, onde falhas não são toleradas.

Mesmo que o sistema funcione em um primeiro momento com alimentação passiva, é comum observar a perda do sinal de vídeo nas telas constantemente. Isto pode estar acontecendo por que a fonte de vídeo não está conseguindo fornecer corrente suficiente e o splitter está resetando.

Por que comprar um modelo profissional?

É muito comum achar modelos de Splitter 1×2 com valores em torno de R$100,00. Eu não quero depreciar uma marca ou outra, mas geralmente, quando estamos falando em dispositivos eletrônicos, quanto mais barato ele for, menor a vida útil.

Como tenho uma boa experiência com os projetos e componentes eletrônicos destes dispositivos, posso dizer que o principal problema dos aparelhos mais baratos, é a falta de proteção contra a eletricidade estática, e geralmente é por isso que eles param de funcionar precocemente.

Portanto, novamente deixo aqui a minha dica: invista em equipamentos profissionais, de qualidade. Não adianta economizar agora para se estressar depois.

Compatibilidade do HDMI com outros protocolos

O protocolo de transmissão de vídeo HDMI é uma evolução do protocolo DVI e é possível utilizar uma fonte de vídeo DVI com uma TV HDMI, ou vice-versa, apenas utilizando um adaptador (possui apenas conexões elétricas), que são bem baratos. Lembrando que o DVI não tem a capacidade de transmitir áudio junto com o vídeo, ao contrário do HDMI.

hdmi-dvi

Caso a conversão desejada for do HDMI para o VGA ou o RCA (analógicos), então é necessário a utilização de um conversor, pois são protocolos e sinais distintos. Conversores geralmente são mais caros.

Aplicações comuns do Splitter HDMI

Qualquer aplicação que queira exibir o mesmo vídeo replicado em mais de uma tela pode utilizar os splitters HDMI. Alguns exemplos:

  • Telas em ônibus (geralmente duas ou três telas por veículo);
  • Totem de shopping (uma tela atrás da outra);
totem-shopping
  • Supermercados (uma tela por caixa);
  • Terminais de ônibus e aeroportos.
aeroporto

Esperamos ter ajudado sobre as dúvidas na utilização do Splitter HDMI. 

Fonte: Eric VazzolerTudo sobre o Splitter HDMI (Divisor HDMI)

Back to Top